Brasil: Manifiesto de Repudio por el Asesinato de dos Pescadores de AHOMAR

Los movimientos sociales y organizaciones de la sociedad civil que suscriben el presente Manifiesto expresan su indignación brutal por el asesinato de los pescadores artesanales Almir Nogueira de Amorim y João Luiz Telles Penetra (Pituca), integrantes de la Asociación Hombres y Mujeres del Mar (AHOMAR), de la Bahía de Guanabara. Exigimos que el Estado de Rio de Janeiro y el Estado brasileño tomen las providencias inmediatas para investigar los hechos, proteger y garantizar la vida de los pescadores artesanales amenazados.

Almir y Pituca eran dirigentes de AHOMAR, organización de pescadores artesanales que lucha contra los impactos socio ambientales generados por grandes emprendimientos económicos que inviabilizan la pesca artesanal en la Bahía de Guanabara. Ambos desaparecieron el viernes 22 de junio de 2012, cuando salieron a pescar. El cuerpo de Almir fue encontrado el domingo 24 de junio, amarrado junto al barco, que estaba sumergido cerca de la playa de São Lourenço, en Magé, Rio de Janeiro. El cuerpo de João Luiz Telles (Pituca) fue encontrado el lunes 25 de junio, con pies y manos amarrados y en posición fetal, cerca de la playa de São Gonçalo, Rio de Janeiro.

La Historia de Lucha de AHOMAR

La AHOMAR representa pescadores artesanales de siete municipios de la Bahía de Guanabara y tiene 1870 asociados. Desde 2007 viene denunciando sistemáticamente las violaciones y crímenes ocurridos en la construcción del Complejo Petroquímico de Rio de Janeiro (COMPERJ), una de las mayores inversiones de la historia de Petrobras y parte del Plan de Aceleración del Crecimiento (PAC).

En 2009, los pescadores de AHOMAR ocuparon las obras de construcción de los gasoductos submarinos y terrestres de transferencia de GNL (Gas Natural Licuado) y GLP (Gas Licuado de Petróleo), realizados por el consorcio de las contratistas GDK y Oceânica, contratadas por la Petrobras. Esa obra inviabiliza directamente la pesca artesanal en la Playa de Mauá-Magé, Bahía de Guanabara, donde queda la sede de AHOMAR.
Ellos anclaron sus barcos cerca de los ductos de la obra y allí permanecieron por 38 días. Desde entonces, los pescadores sufren constantes amenazas de muerte. En mayo del mismo año, Paulo Santos Souza, ex-tesorero de AHOMAR, fue brutalmente atacado frente a su familia y asesinado con cinco tiros en la cabeza. En 2010, otro fundador de AHOMAR, Márcio Amaro, también fue asesinado en casa, frente a su madre y esposa. Ambos crímenes no fueron aclarados todavía.
En función de la violencia contra los pescadores y de las constantes amenazas de muerte, desde 2009 Alexandre Anderson de Souza, presidente de AHOMAR, vive con su família bajo la guardia del Programa de Protección a los Defensores de Derechos Humanos, viviendo 24 horas por día con escolta policial. Lo que no impidió que Alexandre Anderson sufriese nuevos atentados contra su vida.

Intensificación de las amenazas y nuevas muertes

Al final de 2011 e inicio de 2012 los pescadores de AHOMAR volvieron a movilizarse contra los impactos que surgen de las obras de COMPERJ. Con la justificativa de acelerar el cronograma de ejecución de las obras, la Petrobras y el INEA intentaron retomar una propuesta ya descartada durante el proceso de licencia ambiental. La maniobra busca transformar el Río Guaxindiba, afluente de la Bahía de Guanabara, localizado en el Área de Protección Ambiental de Guapimirim, en una hidrovía para transporte de equipamientos de COMPERJ.

Concientes de la magnitud de los impactos que serían provocados sobre la Bahía de Guanabara y la pesca artesanal, los integrantes de AHOMAR denunciaron la intención de Petrobras y lideraron una movilización en solidaridad con el jefe de la APA Guapimirim, Breno Herrera, amenazado de exoneración de la ICMBIO por oponerse a los impactos de ese emprendimiento. Desde entonces, las amenazas a los pescadores de AHOMAR se intensificaron.

Para agravar la situación, en el mes de febrero de este año el Destacamento de Policía Ostensible (DPO) de la Playa de Mauá, donde queda la sede de AHOMAR y la residencia de Alexandre Anderson, fue desactivado, exponiendo a los pescadores a nuevas amenazas y tornando a la población local todavía más vulnerable. En ese período por lo menos otros tres dirigentes de AHOMAR fueron amenazados de muerte.

Fue en este contexto, de desarticulación de la seguridad pública en la región e intensificación de las amenazas contra los pescadores que Almir Nogueira de Amorim y João Luiz Telles Penetra (Pituca) fueron asesinados. Se trata, por tanto, de una crónica de muertes anunciadas. Ambos fueron encontrados con claras evidencias de ejecución.

Ante estos graves acontecimientos manifestamos toda nuestra solidaridad a AHOMAR y a los familiares de los pescadores asesinados. Al mismo tiempo, exigimos:

Que quienes ordenaron y quienes ejecutaron los asesinatos de Almir Nogueira de Amorim y João Luiz Telles Penetra sean identificados y responsabilizados;
Que sean concluidas las investigaciones por las muertes de Paulo Santos Souza y Márcio Amaro, hasta hoy no aclaradas, y que sus asesinos también sean identificados y responsabilizados;
Que sean investigadas todas las amenazas a los pescadores artesanales de AHOMAR.
La firma del Gobernador del Estado de Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, del Decreto de institucionalización del Programa Estatal de Protección a los Defensores de Derechos Humanos;
El seguimiento de las investigaciones sobre los asesinatos de dirigentes aquí listados por la Secretaría de los Derechos Humanos de la Presidencia de la República;
El fortalecimiento de la protección de Alexandre Anderson y que la escolta policial sea extendida a su esposa , Daize Menezes de Souza;
La inmediata reapertura del DPO de la playa de Mauá y el Fortalecimiento de la Seguridad Pública de la región;
Que la Petrobras y las empresas a ella vinculada en el conjunto de las obras de COMPERJ en la Bahía de Guanabara negocien con la AHOMAR la justa pauta de reivindicaciones del movimiento.

Los abajo firmantes seguirán denunciando los exterminios de los luchadores sociales que están enfrentando de modo legítimo la destrucción de las condiciones de pesca artesanal en la Bahía de Guanabara y en las demás áreas pesqueras de Rio de Janeiro. Igualmente, acompañaremos el proceso de investigación y las providencias del gobierno estatal en defensa de la integridad de los demás pescadores en lucha. Las muertes de Almir, João Luiz, Paulo y Marcio nos llevan a afirmar: somos todos pescadores, somos todos militantes de AHOMAR!

Manifesto de Repúdio pelo Assassinato dos Pescadores da AHOMAR

Os movimentos sociais e organizações da sociedade civil que subscrevem o presente Manifesto expressam sua indignação pelo brutal assassinato dos pescadores artesanais Almir Nogueira de Amorim e João Luiz Telles Penetra (Pituca), membros da Associação Homens e Mulheres do Mar (AHOMAR), da Baía de Guanabara. Exigimos que o Estado do Rio de Janeiro e o Estado Brasileiro tomem as providências imediatas para investigar os fatos, proteger e garantir a vida dos pescadores artesanais ameaçados.

Almir e Pituca eram lideranças da AHOMAR, organização de pescadores artesanais que luta contra os impactos socioambientais gerados por grandes empreendimentos econômicos que inviabilizam a pesca artesanal na Baía de Guanabara. Ambos desapareceram na sexta-feira, dia 22 de junho de 2012, quando saíram para pescar. O corpo do Almir foi encontrado no domingo, dia 24 de junho, amarrado junto ao barco que estava submerso próximo à praia de São Lourenço, em Magé, Rio de Janeiro. O corpo de João Luiz Telles (Pituca) foi encontrado na segunda-feira, dia 25 de junho, com pés e mãos amarrados e em posição fetal, próximo à praia de São Gonçalo, Rio de Janeiro.

A História de Luta da AHOMAR

A AHOMAR representa pescadores artesanais de sete municípios da Baía de Guanabara e possui 1870 associados. Desde 2007 vem denunciando sistematicamente as violações e crimes ocorridos na construção do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (COMPERJ) um dos maiores investimentos da história da Petrobrás e parte do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC).

Em 2009, os pescadores da AHOMAR ocuparam as obras de construção dos gasodutos submarinos e terrestres de transferência de GNL (Gás Natural Liquefeito) e GLP (gás liquefeito de petróleo) realizado pelo consórcio das empreiteiras GDK e Oceânica, contratadas pela Petrobras. Essa obra inviabiliza diretamente a pesca artesanal na Praia de Mauá-Magé, Baia de Guanabara, onde fica a sede da AHOMAR.

Eles ancoraram seus barcos próximos aos dutos da obra e ali permaneceram durante 38 dias. Desde então, os pescadores sofrem constantes ameaças de morte. Em maio do mesmo ano, Paulo Santos Souza, ex-tesoureiro da AHOMAR, foi brutalmente espancando em frente a sua família e assassinado com cinco tiros na cabeça. Em 2010, outro fundador da AHOMAR, Márcio Amaro, também foi assassinado em casa, em frente a sua mãe e esposa. Ambos os crimes até hoje não foram esclarecidos.

Em função da violência contra os pescadores e das constantes ameaças de morte, desde 2009 Alexandre Anderson de Souza, presidente da AHOMAR, vive com sua família sob a guarda do Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, vivendo 24 horas por dia com escolta policial. O que não impediu que Alexandre Anderson sofresse novos atentados contra a sua vida.

Intensificação das ameaças e novas mortes

No final de 2011 e início de 2012 os pescadores da AHOMAR voltaram a se mobilizar contra os impactos decorrentes das obras do COMPERJ. Com a justificativa de acelerar o cronograma de execução das obras, a Petrobras e o INEA tentaram retomar uma proposta já descartada durante o processo de licenciamento ambiental. A manobra visa transformar o Rio Guaxindiba, afluente da Baia de Guanabara, localizado na Área de Proteção Ambiental de Guapimirim, numa hidrovia para transporte de equipamentos do COMPERJ.

Conscientes da magnitude dos impactos que seriam provocados sobre a Baia de Guanabara e a pesca artesanal, os integrantes da AHOMAR denunciaram a intenção da Petrobras e lideraram uma mobilização em solidariedade ao Chefe da APA Guapimirim, Breno Herrera, ameaçado de exoneração da ICMBIO por se opor ao impacto desse empreendimento. Desde então, as ameaças aos pescadores da AHOMAR se intensificaram.

Para agravar a situação, no mês de fevereiro deste ano o Destacamento de Policiamento Ostensivo (DPO) da Praia de Mauá, onde fica a sede da AHOMAR e a residência do Alexandre Anderson, foi desativado, expondo os pescadores a novas ameaças e tornando a população local ainda mais vulnerável. Nesse período pelo menos outras três lideranças da AHOMAR foram ameaçadas de morte.

Foi neste contexto, de desarticulação da segurança pública na região e intensificação das ameaças contra os pescadores que Almir Nogueira de Amorim e João Luiz Telles Penetra (Pituca) foram assassinados. Trata-se, portanto, de uma crônica de mortes anunciadas. Ambos foram encontrados com claras evidencias de execução.

Diante destes graves acontecimentos manifestamos toda a nossa solidariedade à AHOMAR e aos familiares dos pescadores assassinados. Ao mesmo tempo, exigimos:

Que os mandantes e assassinos diretos de Almir Nogueira de Amorim e João Luiz Telles Penetra sejam identificados e responsabilizados;
Que sejam concluídas as investigações pelas mortes de Paulo Santos Souza e Márcio Amaro, até hoje não esclarecidas, e que seus assassinos também sejam identificados e responsabilizados;
Que sejam investigadas todas as ameaças aos pescadores artesanais da AHOMAR.
A assinatura pelo Governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, do Decreto de institucionalização do Programa Estadual de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos;
O acompanhamento da apuração dos assassinatos das lideranças aqui listadas pela Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência da República;
O fortalecimento da proteção do Alexandre Anderson e que a escolta policial seja estendida à sua esposa, Daize Menezes de Souza;
A imediata reabertura da DPO da Praia de Mauá e o Fortalecimento da Segurança Pública da região;
Que a Petrobrás e as empresas a ela vinculadas no escopo das obras do COMPERJ na Baía de Guanabara negociem com a AHOMAR a justa pauta de reivindicações do movimento.

Os signatários abaixo listados seguirão denunciando os extermínios dos lutadores sociais que estão enfrentando de modo legitimo a destruição das condições de pesca artesanal na Baia da Guanabara e nas demais áreas pesqueiras do Rio de Janeiro. Igualmente, acompanharemos o processo de investigação e as providencias do governo estadual em defesa da integridade dos demais pescadores em luta. As mortes de Almir, João Luiz, Paulo e Marcio nos leva a afirmar: somos todos pescadores, somos todos militantes da AHOMAR!

Assinaturas:
3IN
4 Cantos do Mundo
a Paz e a Sustentabilidade)
A Sud – Ecologia
Cooperazione ONLUS
ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Accion Ecologica – Equador
Agência BRASIL SUSTENTÁVEL
Agência Latinoamericana para el Desarrolo Sostenible
Amigos da Terra America Latina e Caribe (ATALC)
Amigos da Terra Brasil
Amigos da Terra Internacional (ATI/FoEI)
Amigos de La Tierra América Latina y Caribe (ATALC)
Amigos de la Tierra España
APREC Ecossistemas Costeiros
Articulação Antinuclear Brasileira
Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro
Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB)
Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa
Asociación Departamental de Usuários Campesinos – Del Meta/Colombia
Associação “Dando as Mãos” Organização Solidária dos Assentados e Empreendedores em Geral
Associação Alternativa Terrazul
Associação Ambientalista Copaíba/SP
Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social
Associação Brasileira de Homeopatia Popular (ABHP)
Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT)
Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA)
Associação Cultural Arte e Ecologia (ASCAE)
Associação de Docentes da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (ASDUERJ)
Associação de Moradores e Pescadores da Vila Autódromo (AMPVA)
Associação de Pescadores e Aquicultores de Pedra de Guaratiba (APAPG)
Associação de Proteção ao Meio Ambiente de CIANORTE (APROMAC) – Paraná
Associação de Servidores Federais da Área Ambiental no Estado do Rio de Janeiro (ASIBAMA-RJ)
Associação dos Docentes da Unimontes  – Montes Claros/MG
Associação dos Docentes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ADUFRJ)
Associação dos Geógrafos Brasileiros
Associação dos Geógrafos Brasileiros – AGB – Vitória
Associação dos Professores da PUC-SP (APROPUCSP)
Associação dos Servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis no Distrito Federal
Associação dos Servidores do Ministério do Meio Ambiente
Associação dos Servidores Ibama/Icmbio – ASIBAMA – Pirassununga – SP
Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (AGAPAN)
Associação Livre dos Aquicultores (ALA)
Associação Mineira de Defesa do Ambiente (Amda)
Associação Movimento Paulo Jackson – Ética, Justiça, Cidadania
Associação Nacional de Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente (ASIBAMA Nacional)
Associação Nacional de Servidores da Carreira de Especialista em Meio Ambiente e do PECMA (ASIBAMA-DF)
Associação Nacional dos Defensores Públicos (ANADEP)
Associação para o Desenvolvimento Social e Urbano Força Negra
Associação Potiguar Amigos da Natureza (ASPOAN)
Association Internationale de Techniciens, Experts et Chercheurs (AITEC)
Balcão de Direitos/UFES
Bicuda Ecológica
Bio-Bras
Bios Iguana A.C. México
Brigadas Populares
Campanha MAIS VIDA, menos lixo
CARA LIMPA – Cooperativa de Catadores de Materiais Reutilizáveis e
Casa da América Latina
Casa da Mulher Trabalhadora (CAMTRA)
CDCA – Centro di Documentazione sui Conflitti Ambientali
CEDECA – RJ
Ceiba – AT Guatemala
CENSAT Agua Viva – Colômbia
Central de Movimentos Populares
Centre for Environmental Justice/Friends of the Earth Sri Lanka
Centro Brasileiro de Estudos de Saúde (CEBES)
Centro da Mulher Baiana
Centro de Defesa da Criança e do Adolescente Maria dos Anjos/Rondônia
Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente CEDECA/TO Glória de Ivone
Centro de Defesa dos Direitos Humanos da Serra/ ES
Centro de Defesa dos Direitos Humanos de Petrópolis
Centro de Educação Ambiental de Guararema – Ceagua – Guararema/SP
Centro de Estudos Ambientais (CEA)
Centro de Estudos e Pesquisas para o Desenvolvimento do Extremo Sul (CEPEDES)
Centro De Referência Do Movimento Da Cidadania Pelas Águas Florestas E Montanhas Iguassu Iterei
Centro de Teatro do Oprimido (CTO)
Cinescadão – Núcleo Audiovisual da Associação Cultural Fábrica de Gênios – São Paulo/SP
Climaxi – movement for climate and social justice (Belgium)
CODEF – Amigos de la Tierra – Chile
COECO Ceiba – Amigos d ela Tierra Costa Rica
Colectivo VientoSur – Chile
Coletivo Catarse de Comunicação – Porto Alegre/RS
Coletivo de Estudos Marxistas e Educação – COLEMARX/UFRJ
Coletivo Nacional Barricadas Abrem Caminhos
Coletivo RJ Memória, Verdade e Justiça
Colônia de Pescadores Z-20 de Ibiaí – norte de Minas Gerais
Comissão de Defesa dos Direitos da População de Tubiacanga (CDDPT)
Comissão Paroquial de Meio Ambiente de Caetité
Comissão Pastoral da Terra (CPT)
Comissão Pastoral da Terra (CPT-MT)
Comitê Acorda Amapá
Comitê de Bacias Lagos São João
Comite Departamental en defensa del Agua y la Vida de Antioquia – Colômbia
Comitê Metropolitano Xingu Vivo Para Sempre – Belém/PA
Comitê por uma Internacional Operária – CIT
Comunicação e Arte
Concerned Citizens against Climate Change
Conselho Carioca de Cidadania (CONCA)
Conselho Federal de Serviço Social (CFESS)
Conselho Indigenista Missionário (CIMI)
Conselho Indigenista Missionário Regional Amazônia Ocidental
Conselho Indigenista Missionário Regional Mato Grosso (CIMI/MT)
Conselho Pastoral dos Pescadores
Conselho Regional de Psicologia do Rio de Janeiro (CRP/RJ)
Conselho Regional de Serviço Social – RJ (7ª Região)
Consulta Popular
Cooperativa dos Produtores da Agricultura Familiar de Tangará da Serrae Região (COOPERVIDA/MT)
Cooperativa RCS
COOPERVIDA LATINOAMERICANA de Produtores da Agricultura Familiar – Santa
Corporación Ecológica y Cultural penca de Sábila/Colômbia
Cruz de la Sierra – Bolívia
CSP Conlutas
Defensores Públicos em Movimento (DOMOV)
Defensoria Social
Democracia y Desarrollo (PIDHDD)
Departamento de Psiquiatria e Psicanálise do Hospital Universitário Pedro Ernesto/UERJ
Econg-Ong de Defesa do Meio Ambiente de Castilho e Região
Environmenal Rights Action – Nigeria
Escritório de Direitos Humanos da Prelazia de São Félix do Araguaia – MT
Esplar – Centro de Pesquisa e Assessoria
Estudantes em Construção
FASE
FASE Bahia
FDCL – Forschungs- und Dokumentationszentrum Chile-Lateinamerika – Alemanha
FEDEP
Federação Nacional de Sindicatos de Trabalhadores da Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (FENASPS)
FERN – Inglaterra e Bélgica
FoE Austria
FoE Cyprus
FOE Mauritius
FoE Scotland
FoE Uganda
Fórum Alagoano em Defesa do SUS e contra a Privatização
Fórum Ambiental (IM/UFRRJ)
Fórum Brasileiro de Ongs e Movimentos Sociais pelo Meio Ambiente e o Desenvolvimento
Fórum Comunitário do Porto
Fórum Contra A Privatização das Políticas Públicas de Niterói
Fórum de Cooperativismo Popular do Rio de Janeiro
Fórum de Direitos Humanos e da Terra (FDHT-MT)
Fórum de Reparação e Memória RJ
Fórum de Saúde do Rio de Janeiro
Fórum do Movimento Social de Manguinhos
Fórum dos Afetados pela Indústria do Petróleo e Petroquímica nas Cercanias da Baía de Guanabara (FAPP-BG)
Fórum Mudanças Climáticas e Justiça Social
Fórum Popular do Orçamento do Rio de Janeiro
Fórum Voz Intersetorial Voz aos Povos
Frente Nacional contra a Privatização da Saúde
Frente Nacional em Defesa dos Territórios Quilombolas
Friends of the Earth – US
Friends of the Earth Croatia
Friends of the Earth Cyprus
Friends of the Earth Denmark – NOAH
Friends of the Earth England Wales and Northen Ireland
Friends of the Earth Europe
Friends of the Earth Flanders & Brussels
Friends of the Earth France
Friends of the Earth Ground Work FoE South África
Friends of the Earth Mauritius
Friends of the Earth Nepal
Friends of the Earth Norway
Friends of the Earth Scotland
Friends of the Earth Srilanka
Friends of the Earth Uganda – NAPE
FULANAS: Negras da Amazônia Brasileira (NAB)
Fundação Dinarco Reis
Fundação Rosa Luxemburgo
Gambá – Grupo Ambientalista da Bahia
GLOBAL 2000
GPEA-UFMT
GRAIN
Greenpeace Brasil
Grupo Arte Fuxico do Fórum de São João de Meriti
Grupo de Defesa Ecológica (GRUDE)
Grupo de Estudo das Relações Etnicorracial e Serviço Social (GERESS)
Grupo de Estudos em Educação e Meio Ambiente (GEEMA  – RJ)
Grupo de Trabalho de Mobilização Social (GTMS-MT)
Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte (GPEA-UFMT)
Grupo Tortura Nunca Mais – RJ
Grupo Transdisciplinar de Estudos Ambientais de Viam Unidade de Psiquiatria Assistencial/Faculdade de Ciências Médicas/UERJ
Grupos Ecológicos de Risaralda (GER)
GT Combate ao Racismo Ambiental da RBJA
GT Meio Ambiente – AGB Associação dos Geógrafos Brasileiros
GT Minorias do Fórum Justiça
HUMANITAS – DH e Cidadania
iC
IDDH
Identidade – Grupo de Luta pela Diversidade Sexual – Campinas/SP
IMDH
INSTITUTO AMBIENTAL CONSERVACIONISTA 5º ELEMENTO
Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas (IBASE)
Instituto Búzios
Instituto Caracol (iC)
Instituto Cultural Tecnologia e Arte – Tecnoarte – Gupimirim/RJ
Instituto de Estudos da Religião (ISER)
Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC)
Instituto dos Defensores dos Direitos Humanos (DDH)
Instituto Helena Greco de Direitos Humanos e Codadania -IHG, Belo Horizonte, MG.
Instituto Humana Raça Fêmina – INHURAFE
Instituto Humana Raça Fêmina – INHURAFE
Instituto Humanitas –Belém/PA
Instituto Mais Democracia
Instituto Matogrossense de Direito e Educação Ambiental
Instituto Pólis
Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul (PACS)
Instituto Socioambiental (ISA)
Instituto ST Quasar – Mongaguá/SP
INTERSINDICAL
ITEREI- Refúgio Particular de Animais Nativos –  Portaria  Ibdf 163/78 (Dou  20/04/1978),  Membro Oficial Da Sociedade Planetária ( UNESCO  PROJETO BRA022/1998 )
Jubileu Sul Américas
Jubileu Sul Brasil
Justiça Ambiental – Moçambique
Justiça Global
KZN Subsistence Fisherfolks – África do Sul
Laboratório de Investigações em Educação, Ambiente e Sociedade (LIEAS/UFRJ)
Laboratório Territorial de Manguinhos (LTM/FIOCRUZ)
Liberdade Socialismo e Revolução (LSR)
Mandato da Deputada Estadual Janira Rocha (PSOL/RJ)
Mandato do Deputado Estadual Marcelo Freixo (PSOL/RJ)
Mandato do Deputado Federal Chico Alencar (PSOL/RJ)
Mandato do Vereador Eliomar Coelho (PSOL/RJ)
Mariana Criola – Centro de Assessoria Jurídica Popular
Mata Atlântica/DESMA
Mesa Humanitária Del Meta Colombia, Mileudefensie/Netherlands
Movimento  de Mulheres de Altamira
Movimento Ambientalista Os Verdes/RS
Movimento Autônomo Utopia e Luta – Porto Alegre
Movimento de Defesa dos Direitos dos Moradores em Favelas de Santo André (MDDF)
Movimento dos 500 – Servidores Públicos Federais de Meio Ambiente Contra o Desmonte da Política Nacional de Meio Ambiente
Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST)
Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST-MT)
Movimento Ecumênico Fé e Política de Sepetiba
Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH)
Movimento Nacional de Direitos Humanos/ES
Movimento Nacional de Direitos Humanos/RJ
Movimento Popular Saúde Ambiental de Santo Amaro/BA
Movimento Pró-Saneamento e Meio Ambiente da Região do Parque Araruma – São João de Meriti
Movimento Terra Livre
Movimento Unido dos Camelôs (MUCA)
Movimento Xingu Vivo Para Sempre
Movimiento Madre Tierra Honduras
Mutirão pela Cidadania
NAPE – Friends of the Earth Uganda
Naturvernforbundet/Friends of the Earth, Norway
NIEP-Marx – Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas Marx e o marxismo- UFF
Núcleo de Estudos em Desenvolvimento Rural Sustentável e Mata Atlântica (DESMA/UFRGS)
Núcleo de Solidariedade Técnica – SOLTEC/UFRJ
Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Baixada Fluminense  UERJ/ Faculdade de Educação da Baixada Fluminense
Observatório de Favelas
Observatório do Pré-sal e da Indústria Extrativa Mineral
Observatorio Petrolero Sur – Buenos Aires/Argentina
Oil Watch International
Otros Mundos – Colômbia
Partido Comunista Brasileiro (PCB)
Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)
Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU)
Pastoral de Favelas
Plataforma Dhesca Brasil
Plataforma Interamericana de Derechos Humanos
Plenária dos Movimentos Sociais/RJ
Pro Natura – Switzerland
Proam – Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental – São Paulo/SP
Proceso de Comunidades Negras en Colombia (PCN)
Projeto Esperança de São Miguel Paulista
Projeto Políticas Públicas de Saúde – FSS/UERJ
Recicláveis de Carapicuiba/SP
Rede Alerta Contra o Deserto Verde
Rede Alerta-ES
Rede Axe Dudu
Rede Brasil sobre Instituições Financeiras Multilaterais
Rede Brasileira de Ecossocialistas
Rede Brasileira de Justiça Ambiental
Rede Contra o Deserto Verde – Espírito Santo
Rede de Comunidades e Movimentos contra a Violência
Rede de Defesa e Proteção aos Militantes Ameaçados de Morte – SP
Rede de Economia Solidária Complexo do Alemão
Rede de Educadores Ambientais da Baixada de Jacarepaguá
Rede de ONGs da Mata Atlântica (RMA)
Rede Iberoamericana de Territórios Sustentáveis, Desenvolvimento e Saúde
Rede Justiça nos Trilhos
Rede Latinoamericana de Economia Social Solidária
Rede MangueMar Brasil
Rede Mato-Grossense de Educação Ambiental (REMTEA)
Rede Questão Urbana e Serviço Social
Rede Solidária da Pesca
REDES – Amigos de la Tierra Uruguay
Regional Amazônia Ocidental
SAHABAT ALAM Malasya
Serviço Pastoral dos Migrantes (SPM)
Sindicato dos Bancários de Santos
Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro
Sindicato dos Professores de Nova Friburgo e Região – RJ
Sindicato dos Químicos Unificados
Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Públicas Estaduais  RJ (SINTUPERJ)
Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Xapuri – Ac
Sindicato dos Trabalhadores em Radiologia do Estado SP
Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação RJ (SEPE)
Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino (Andes-Sn)
Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Fiocruz (ASFOC-SN)
Sociedade Angrense de Proteção Ecológica (SAPE)
Sociedade Terra Viva (STVBrasil)
South Durban Community Environmental Alliance – África do Sul
Terra de Direitos
Terræ Organização da Sociedade Civil
The Corner House – Inglaterra
TOXISPHERA – Associação de Saúde Ambiental – Paraná
União da Juventude Comunista (UJC)
União dos Estudantes Secundaristas de Carapicuíba/SP
Unidade Classista
USIMIXER (Plataforma de Compartilhamento de Conteúdos de Comunicação para
WRM

Adesões individuais:
Aderson Bussinger – Advogado
Adriana Paquier
Alexandre Lantelme Kirovsky – Assessor Chefia de Assuntos Estratégicos e Relações Institucionais Ministério da Aquicultura e Pesca
Ana Bursztyn-Miranda
Ana Edith Soares – Universidade Federal do Rio Grande
Ana Garcia – PUC-Rio
Ana Paula de Carvalho  – Movimento Popular Luto por Maricá
André Luis Azevedo Guedes – Diretor Coordenador do SINDPD-RJ
Andréa Zhouri – Profa. Associada do Depto. Sociologia e Antropologia FAFICH-UFMG/ Coordenadora do GESTA-UFMG
Ângelo de Sousa Zanoni
Anne Settanni
Antonia dos Santos Garcia – Socióloga e pesquisadora CNPQ
Breno Herrera – Chefe da APA Guapimirim (RJ)
Cacique Venâncio Zezokemae (Etnia Haliti) – Reserva Indígena do Rio Formoso/MT
Cecília C. do Amaral Mello – Professora Adjunta IPPUR/UFRJ
Charo Giménez Lambán;
Cleusa dos Santos – Ess/UFRJ
Cristina Maria Macêdo de Alencar – Grupo de Pesquisa  Desenvolvimento, Sociedade e Natureza (SSA-BA)
Cynthia Franceska Cardoso
Daniel Feldman Israel – Jornalista
Daniela Felix
Delmar Afonso Dietz – Fórum Permanete da Pesca do Litoral Médio e Norte do RS
Dra. Mariana Clauzet – Bióloga
Edson Campos Furtado
Edson Carneiro Indio – Coordenador Nacional da Intersindical
Eduardo Passos – Professor Associado (UFF)
Eliezer João de Souza -Associação Brasileira dos expostos ao Amianto
Elizabeth K. Magalhães – Superintendência de Território e Cidadania/Secretaria do Estado do Ambiente
Elizabeth Medeiros Pacheco
Elizeu Augusto de Brito
Eneida Brasil
Fabio Rodrigues Pitta
Felipe RubioTorgler – Colombia
Fernado Ponte de Sousa – Coordenador do Memorial dos Direitos Humanos – Universidade federal de Santa Catarina
Fernanda Giannasi – Rede Virtual-Cidadã pelo Banimento do Amianto na América Latina
Gabriela Scotto – Profa. Do Depto de Cs. Sociais / ESR /UFF e pesquisadora do NESA- Nucleo de Estudos Socioambientais
Heitor Scalambrini Costa – Coletivo Gestor
Henri Acselrad – professor do IPPUR/UFRJ
Ieda Barbosa – Fiocruz
Iolanda Toshie Ide – Professora aposentada da UNESP
Isabel Mansur Figueiredo – Socióloga e Militante de DH
Isabelle Blengini  – Rede de Educação Ambiental da NEPEA Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação Ambiental (UFBA)
Jailson Florencio
Jeremy M Galjour
João Alfredo Telles Melo, advogado, professor universitário e vereador pelo Psol em Fortaleza.
João Paulo Centelhas – Geógrafo e Ambientalista
José Henrique Viégas Lemos – Professor/ Membro Do Comitê Contra O Genocídio Da Juventude Negra em SP
José Mª Ordóñez Iriarte – Espanha, Léa Tiriba – professora (UNIRIO)
José Pedro Hardman – Vianna Advogado (RJ)
José Rodrigues de Souza Filho
Júlio Miyazawa – Centro de Educação Ambiental de Guararema – Ceagua – Guararema/SP
Karina Dino – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade
Klemens Laschefenski – Coordenador do GESTA-UFMG
Lara Bueno Chiarelli Legaspe – Bióloga (UNESP/Rio Claro)
Lara Florae
Léa Tiriba – Prof. da UNIRIO
Lia Giraldo Da Silva Augusto – Universidade de Pernambuco (UPE)
Ligia Karam
Luciana Sepúlveda Köptcke – Rede Saúde e Cultura
Luis Arcos Pérez – UFF / UNESA
Luiz  Poland
Luiz Fernando Ferreira da Silva – Fundação de Educação e Saúde Mandacaru, Fortaleza (CE)
Marcela Bonelli Zarurid, Marcelo Firpo – Fiocruz
Marcelo Firpo
Marcelo Pretto Mosmann – Advogado
Marcia Leite – UERJ / Círculo Palmarino Rio
Márcia Torres Rodrigues
Marco Antônio Carneiro Menezes –CESTEH/ENSP/Fiocruz
Maria Alice de Paula Santos – Fórum Paulista de EJA
Maria de Fátima Pereira Alves
Maria Gorete Neto (MG)
Maria Helena Zamora
Maria Regina de Avila Moreira – professora UFRN – Conselho Consultivo do Centro de Referência dos Direitos Humanos /RN
Marijane Vieira Lisboa, Profa de Sociologia – PUC-SP
Mário Auigusto Jakobskind – Conselheiro da ABI e presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Direitos Humanos da ABI
Mario Mariano Ruiz Cardoso, mestrando – UFSCAR campus Sorocaba
Marlene Soccas, dentista e historiadora, de Criciuma, Santa Catarina.
Maryane Saisse LIEAS/UFRJ
Miriam Langenbach
Mônica Armond Serrão – Analista Ambiental do IBAMA
Mônica Cristina Brandão dos Santos Lima – FCM /HUPE/UERJ
Nicete Campos
Norma Valencio – Núcleo de Estudos e Pesquisas em Desastres/UFSCar
Núcleo de Estudos e Pesquisas em Desastres/UFSCar
Patricia Magno – Defensora Pública RJ/ Integrante do GT Minorias do Fórum Justiça
Patricia Rodin
Pau Soler Domenech  – Valencia, España
Pedro Paulo Lourival Carriello
Raquel Camargo Macruz – MOSAL- INMMAR
Rejane Gadelha – Movimento Pró-Vila da Ilha do Fundão
Renata Lira – Advogada
Roberto Franco – Presidente ECong
Sabel Brasil Pereira
Sebastião Fernandes Raulino – Professor Substituto FEBF/UERJ/Duque de Caxias – RJ
Severiano Mendonça Sarmento Junior
Shannon Karam
Silvia C.Leanza -Fundación Ecosur Ecología Cultura y Educación desde los Pueblos del Sur
Susanne Hedman
Sweden
T.S. MIRTA RIVERO – Presidente del Colegio de Trabajadores Sociales Provincia de Buenos Aires- Argentina.
Tânia Mara Franco – Professora (RJ)Tania Pacheco – GT Combate ao Racismo Ambiental da RBJA
Valeria Brahim
Valéria Fernandes de Carvalho Castro – Professora-pesquisadora da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
Valéria Nacif – ambientalista,antropóloga e professora Tilburg – Países baixos
Vera Vital Brasil – Equipe Clínico Política/ Fórum de Reparação e Memória do RJ
Virgínia Fontes – UFF/Fiocruz
Yoshiharu Saito – Pres. do Fórum Ecossocial da Baixada Fluminense
Zuleica Nycz – Conselheira do CONAMA representando a Região Sul

Justiça Global Brasil